quinta-feira, 20 de agosto de 2009

A Prisão Financeira e a Prisão Psicológica

O que não percebeis é que a prisão financeira É a prisão psicológica.

A limitação de recursos cumpre a determinados fins: o aprimoramento das faculdades resilientes e o despertar da criatividade – ferramentas indispensáveis da evolução do ser. Não há outro propósito além dos acima citados que justifiquem a pobreza de um, a miséria de muitos ou o desconsolo da alma que se sente desabonada às portas da Sorte, em cuja mansão rejubilam-se e esbaldam-se os eleitos de um destino mais favorável e sorridente – e com certeza bem menos tortuoso.

Não nos deteremos aqui a explanações da Lei do Karma que regula tais disposições pois muito disto já sabeis, de todas estas coisas já conheceste. Venho hoje porém falar-vos do que separa Fartura e Opulência Material de ti, particularmente, e de outros 75% da população do planeta.

Onde o karma não mais alcança, pela determinação áurea do Pai, alcança porém A Crença que cada um carrega em seu interior de não ser merecedor; das intransponilibidades pênseis que te separam, no continente de tua mente, de uma ilha de felicidade e facilidade supostamente inalcançável; da intemporabilidade da vida material versus a superioridade do Espírito, e das contradições entre todas essas coisas que se chocam na tela mental, provocando verdadeiros curto-circuitos nas tuas ondas mentais, te tirando não somente a paz, como te aniquilando qualquer condição mais favorável de alçar vôo rumo aos teus mais recônditos sonhos e ansiados projetos.

Não é Deus que impede, mas teu conflito interior que mina tuas forças.
Não são os anjos que se negam a te auxiliar, mas tuas contradições que te proíbem o avanço.

O tempo é curto e a mensagem deve ser ligeira; não te ocupes portanto em refutar o que foi dito agarrando-se a conceitos que muito mais se baseiam em ditados populares vãos do que à sabedoria divina. Utilizes teu tempo mais produtivamente acatando e elaborando em teu interior o que te propomos a seguir. Absorve, examina e pratica que observarás a mudança, após teu interior – de onde deve começar a irradiar – ao teu redor e dos teus se espalhar:

1) A Riqueza é Luz Divina a espelhar os meios de Vida devido aos homens

2) A Riqueza é Bendita, é recurso sagrado do Pai para espalhar entre Seus filhos Cura, Benesse, Auto-Conhecimento e Direção

3) A Riqueza não é prisão – alma pequena é calabouço e escuridão – pois os meios de mudança são todos formas de Libertação

4) Sem Riqueza não há progresso – a tristeza ama a estagnação – todo instrumento da Prosperidade rompe elos de escravidão

5) Ao contrário do que acreditas, mesmo os que transgridem a Lei Eterna, da Riqueza se beneficiam em sua evolução, pois muito mais chances tem de ampliar seus horizontes quem para isto tem condição – na miséria se propagam somente dor, falta de perspectiva e obsessão


6) A Riqueza não é bênção para poucos, mas para todos que acreditam dela serem merecedores – quantos já não questionaram porque há tantos que dela se beneficiam sem bom uso algum fazer?
“Karma”, dizem, “Se não agora, no futuro!”
Nada disso vos digo, porém: apenas uma lei-instrumento, sinfonia magnética de atração, que muitos ousados sem coração aprendem a dominar antes dos mais precavidos e conscienciosos cidadãos

7) Se queres servir a Deus, quanto mais útil serás? Sejas rico ou sejas pobre, tuas intenções não se julgará, mas o tamanho do que fazes e a quantos a benesse se estenderá – valerá mais o fato ou a idéia por trás do fato?

8) A Prudência é conquista de elevação espiritual, mas a Ousadia positiva também é companhia dos que mais fazem pelo seu próximo e de todo aquele comprometido com os mecanismos de mudança consciencial


9) A Riqueza é instrumento de ação no mundo material. Estivessem vós em outro reino mais sutil, bastaria o pensamento para pôr em movimento uma realização – mas no momento não é esta a tua condição!

10) Sejas sincero contigo mesmo e não voltes a dizer: “Deus não quer” ou “Deus não me deu”. Diga antes: “Eu temo” ou “Eu não creio que mereça”, mas o fazei sabendo que são todos sinônimos de “Que outro o faça”


11) “Como então?” o dizes.
Eu te responderei:
É o fim da Lição 11 do alfabeto do Querer. Esse é um verbo tão Divino, tão bonito como Amar, pois quem Ama, Quer conforto, Quer abraço, Quer curar. Quer não ver mais sofrimento, quer ver sonho e ajudar, quer ver Vida se realizar, missão e promessa se concretizar.

Põe uma música em teu coração, aquela que a Alma canta desde a tua re-união.
Lance os olhos no porvir e a seta que perspassa teu coração, levando o bálsamo do teu desejo banhado no teu mais puro amor, ao centro do Cristo Luz do Cosmo, com todo o teu sentimento.
Não implores em teus pedidos por migalhas de favores como se te desculpasses, que o Amor não é mendigo, é Grandioso por essência.
Decreta ao Pai tua intenção, que se bendita e afinada ao teu divino ser, afinada à vontade do teu divino Pai está.
Fazei isso não em temor, mas como quem pede seu Bem-Querer em casamento, seguro da reciprocidade desse amor.
E aguarda na certeza, nenhum espaço para dúvida ou descrença.
Evitai no entanto a euforia, que desequilibra e desalinha teu meridiano de energia.

Fazei o que te proponho e mais à frente te direi como aprimorar teus planos quando os recursos já forem tantos que se mostrem bem maiores que teus maiores sonhos.


Mago do 11
03/03/09

Um comentário: