segunda-feira, 16 de maio de 2011

A Cura II



Ontem, o que podia ter sido amor,
hoje é o serviço...
Amanhã com certeza haverá outro motivo.
E assim vai adiando
o que podia ser tão lindo!

Então um dia chega a escuridão da noite
e os teus dias aqui se encerram.
Descortina-se nova vida.
Viverás outros mistérios.

E então o arrependimento,
a lamúria e as promessas.
"Ah, Senhor, dai-me nova chance!"
E vem a oferta:

"Gostarias, tu, irmão,
de trabalhar pela Luz?"
"Como não? Que graça a minha!
Partilhar o pão, aliviar a ferida!"

Vai para a escola no astral,
se preparar pra labuta.
Reencarna, mas agora com um dom
para auxiliá-lo na Luta.

A Ciência lhe dirá:
"- És um louco!"
Outros lhe falarão:
"- Isso não é de Deus, meu irmão."

E seguirá ele com dúvidas,
se arrastando por mais fatias de séculos.
Chegará ao fim da linha
sem concluir o projeto.

Pede depois desculpas
por não saber perseverar.
Jura novamente, pede
outra chance... Não vai falhar!

Volta com mais de um dom dessa vez,
para não se enganar.
Verá o aqui e o lá,
que é pra gente poder cobrar:

"Lembra o que prometestes?
Pois é... Não vás falhar!
Já se arrastaram 'quais' dois séculos
e nada de tu prosperar!"

Então um dia chega ele
numa porta bendita
que um outro abriu
pra curar as próprias feridas.

Um mais velho no trabalho, sem amarras de ilusão
um que sabe que a cura é pra seu próprio coração.
Pra limpar o ranço e o limo
e lhe granjear libertação.

O mais velho ensina o novo a não cair pela vaidade.
A não sentir-se pai ou herói, quando é só filho se redimindo
ajudando os seus irmãos
a reencontrar o caminho.

Lá dentro de si mesmo
cada um fez sua promessa.
Quem cumpre se dá bem,
quem foge... atrasa a festa.

Quem se lembra do que cumpre
já é meio caminho andado!
Pode ao menos seguir reto na estrada
sem se desviar pelos lados.

Pode dizer para outros
para onde está indo.
Pra ajudar quem quiser seguir junto
e ser na estrada também peregrino.

Olha, a espera é o que de pior tem!
Pois é cheia de desculpas que não te caem bem.
Lá no fundo tu bem sabes o que já devias estar a fazer,
mas te iludes: "Não, agora! Tenho ainda coisas a resolver."

Olha, o tempo chega e é triste
ver as lágrimas de quem não fez.
mais triste ainda é ver
quem em ti apostou, perder.

Olha, a cura é muito mais que fluido e doação.
Tanto faz se a ciência dá ou não explicação.
A cura é cura mesmo pra curar a civilização,
pra ensinar a humanidade outra senda de evolução.

Se curares um, dez ou mil
no final tanto faz,
pois não terás sido tu,
mas a conexão deles próprios com o Pai.

A energia é luz que doas para acelerar a percepção.
Cada um acordará no tempo em que conseguir ouvir
dentro de si, uma singular canção
que lhe recorda sua essência e lhe põe na rota da inspiração.

A cura então não é a célula que reconstrói,
mas a porta que assinala para quem quiser passar.
A cura é jornada pra lugar predestinado.
É a travessia e o sentimento despertado no traslado.

Lembra, somos todos passageiros do sem fim.
Deus lançou-nos nos espaços da imensidão, assim...
e espera a nossa volta. Vestes limpas,
renovados, reunidos e curados
pela consciência do Amor que a tudo permeia.
13/08/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário