sábado, 25 de junho de 2011

Profº Xavier, Magneto e os Pais de Santo




Uma boa medida pra medir se um filme é bom ou não, é o tempo que você passa falando sobre ele depois que acaba a sessão.


Quando assisti X-Men pela primeira vez, varei a madrugada com minha mãe abordando a metáfora MUTANTES X MÉDIUNS. No feriado de Corpus Christ, após assistir X-Men - Primeira Classe, que segue a mais nova moda vigente em Hollywood de fazer sequências que na verdade são 'antecedências', pra mostrar como tudo começou, novamente o papo rendeu, mas dessa vez sobre qual seria a postura correta de um Pai/Mãe de Santo, sacerdote, ou mesmo, de qualquer tipo de líder.


Como é sabido, Profº Xavier é o bonzinho, o que ensina os mutantes a dominar seus poderes e colocá-los a serviço da humanidade; Magneto é o vilão, que tem como aliados outros mutantes tão ressentidos para com a humanidade quanto ele e mais interessados em exterminá-la e implantar uma Nova Ordem Mundial onde os mutantes são a evolução natural da espécie e o homo sapiens merece... bem, o mesmo destino que os dinossauros.


É muito interessante assistir ao filme e ver como tudo começou, comparando as histórias pessoais de vida, principalmente as infâncias de Charles e Eric antes de se tornarem os líderes em oposição que a Marvel tão magnificamente criou, afinal ninguém é o que é ou torna-se o que se torna do nada. 

Mais importante ainda é perceber como teria sido perfeita a dupla Xavier - Magneto trabalhando juntos. 

Embora Xavier represente o predestinado idealista, de ética irretocável, 'emissário da Luz em tempos de trevas terrenas' para mostrar o caminho diplomático em tempos difíceis onde os humanos temem as aberrações emergentes que poderão lhes tomar o lugar ou lhes fazer mal (se você se lembrou de alguém lhe falando que sua mediunidade era coisa do demo, é bem por aí mesmo!), apostando em mostrar a eles que os mutantes estão aqui para ajudar, Magneto, por ter visto e sentido na pele as consequências do pior que a humanidade tem a oferecer, é bem mais pé no chão e mais empático às dificuldades e questionamentos íntimos dos membros mutantes do grupo, embora a ferida em sua alma necessitasse de uma cura mais intensa do que Xavier pôde lhe dar, e que no fim sela tragicamente sua opção pelo caminho sombrio. Opção essa de certa forma prevista e representada nas cenas em que ambos aparecem disputando partidas de xadrez, até mesmo na escolha da cor das peças.


Isso faz pensar na responsabilidade de um Pai/Mãe de Santo que muitas vezes não vêm a necessidade de cura que um filho de sua casa tem antes que ele possa assumir um trabalho de maior responsabilidade perante outros. Muitos jogam médiuns pra dentro da engira acreditando que fazer a caridade basta para ensinar ao aprendiz aquilo que ele precisa aprender, cessar questionamentos vãos ou apascentar a inquietação em sua alma, e assim se perde a borboleta que um dia poderia vir a ser, e é posta a voar com asas imaturas e incompletas. Podem não estar tão crus em matéria de conhecimento técnico-operacional da religião e mesmo serem dotados de vasta quilometragem em leituras e estudos espiritualistas, mas às vezes isso não basta. É preciso que a alma esteja, ao menos, parcialmente equilibrada e firmemente posicionada em sua jornada a caminho da Paz.


Logicamente não se pode esperar de nenhum sacerdote e de nenhum líder superpoderes, onisciência e solução para todas as questões levadas ao terreiro por seus médiuns ou pela assistência, mas há que se ater à necessidade de manter a HUMILDADE e OUVIR o que o supostamente equivocado ou menos graduado, tem a dizer, pois o otimismo extremado e suas 'certezas irrefutáveis' custaram a Xavier uma bala na coluna. Além disso, não fosse por Magneto, todos os mutantes teriam sido mortos à custa do 'polianismo' do milionário bem intencionado.


Alguns poderão dizer que os guias, especialmente os guias chefes de terreiro, são quem podem julgar se uma pessoa está apta ao não ao trabalho espiritual, e disso não discordo absolutamente, mas penso que nos dias de hoje, em que se fala em parceria com o plano espiritual, em estudar para entender as determinações e orientações das entidades, seria prioritária a inclusão nos cursos de formação sacerdotal uma disciplina presente em cursos que formam professores e terapeutas, que são funções cumulativas e paralelas ao sacerdócio, a Psicologia

Uma grade simples, com horas adequadas à duração do curso, abordando o básico da psicologia para que o futuro sacerdote seja capaz de, se não de identificar, pelo menos 'desconfiar' que seu filho de santo necessita tratar questões interiores urgentes antes de se dedicar ao próximo.


Hoje existem opções de tratamento gratuito, inclusive com psicólogos espíritas nas grandes cidades. Em lugares onde isso não for ainda possível, em alguns casos, determinadas leituras podem surtir o efeito de ao menos 'por no prumo', abrindo-lhe novos pontos de vista sobre uma questão específica que é crucial para a cura interior do médium ou assistido. Além disso há o Xamanismo, capaz de levar a grandes catarses e oferecido também de forma gratuita por muitos grupos semanal ou mensalmente. Importante é que aquele que carrega a responsabilidade pelos demais esteja a par dessas possibilidades e seja capaz de direcionar e orientar aqueles casos em que isto se fizer necessário.


Adaptando o ditado:
"De psicólogo e louco, todo sacerdote deve ter um pouco."


Fora isso, recomendo a todos que assistam o filme, nem que seja para ver a recriação de época dos anos 60 e um personagem, não por coincidência chamado Azazel, que se parece muito com as imagens de Exu da lojas de artigos religiosos, com direito a coloração vermelha, rabo e tudo.

segunda-feira, 20 de junho de 2011

A Ignorância é mesmo uma Bênção?



Mais uma vezes me ponho a escrever motivada pela revolta.
E mais uma vez com a falta de senso da maioria.

Quase não assisto televisão, mas em visita à minha mãe, acabo assistindo, pra fazer companhia a ela, quase tudo, inclusive novela, e foi num desses momentos que tive o imenso desprazer de assistir a mais recente e ridícula propaganda da coca-cola.

Com o slogan "Os Bons são maioria", uma séria de imagens com criancinhas e musiquinha de coro, a  manipulação emocional dos conceitos apresentados é o que conta, dando a impressão - mais que furada - que o mundo está mesmo ficando cada vez melhor.
Especialmente se você estiver tomando uma coca-cola.

Até me lembrei das reuniões de planejamento de festinha para o dia das mães da época em que lecionava no magistério para crianças e a diretora orientava:

"O objetivo da festa é fazer as mães chorarem, se elas chorarem terá sido um sucesso!"

A propósito, será que ninguém mais percebe que as escolas só se dão esse trabalho, não para HOMENAGEAR as mães, mas para calar a boca delas e suas possíveis reclamações pelos próximos 3 meses - que será justamente a data da próxima comemoração, a do dia dos pais?!?!?!?!?!??!

Você acredita que a escola particular está preocupada com a educação e que ama o seu filho? Sinto muito, mas como alguém que esteve do lado de dentro em várias instituições de ensino, lhe asseguro que ela só está mesmo interessada nas mensalidades que você paga. Assim como a loja de sapatos diz que está interessada no conforto dos seus pés, a escola afirma acreditar numa determinada proposta pedagógica. Afinal fica feio dizer "Passa a grana pra cá e larga o pirralho aí!"

Voltando à bosta da propaganda, bom, seguem-se uma série de inúteis comparações no estilo: para cada calça rasgada, cinco bundas estão vestidas; ou ainda, para cada cigarro fumado, cinco pirulitos não são chupados até o fim.


Nem vou entrar no mérito da coca-cola ser um veneno que devia, no mínimo, ser vendido somente para maiores de 18 anos, pois o foco aqui é tratar de como as pessoas se permitem ser enganadas tão facilmente - e pior, de bom grado! -  com frases toscas e imagens meiguinhas, superadas com folga por qualquer powerpoint que se preze.

O supra-sumo da comparação é dizer que os resultados num site de busca para a palavra Amor são maiores que da palavra Medo?!?!?!?!?!?
Pelamor! E os milhões de músicas e poemas sobre o tema que aparecem nesses resultados???
Abrir o comercial com a 'informação' de que os dados foram baseados em um estudo real, é tão nula quanto eu afirmar em meio a ateus que masturbação é pecado porque assim está escrito na bíblia.

Como se dizia antigamente:
"E o KIKO???"
(Pra quem não foi adolescente na década de 80, segue a tradução: "Que que eu tenho a ver com isso?")

Alguém poderia fazer uma contra-versão desse propaganda imbecil afirmando que os resultados para ODEIO são maiores que para ADORO, ou que para DROGAS é maior que para ARROZ.
Mas a verdade é que a VERDADE é muito falada mas muito pouco desejada.

As pessoas não querem ser sacudidas nem acordadas, e muito menos forçadas a repensar seus valores, mas sim manter ou atingir aquilo que imaginam ser uma elevação do seu nível social, leia-se mais dinheiro e mais sexo.
Não é isso que as pessoas pedem nos terreiros, nas igrejas, ou desabafam com parentes e amigos?

O TOP 3 dos pedidos não são justamente um salário melhor, alguém para ter um relacionamento e um filho - geralmente para garantir ou justificar as duas conquistas anteriores. Afinal poucas são as mulheres que de fato querem um filho porque gostam de criança ou tem um forte instinto materno, a maioria quer engravidar simplesmente pra 'fincar chão' no relacionamento, assegurando que o bofe não se vá na primeira piscada de outrem...

Isso é deplorável, mas é verdade. Filhos, raros são os frutos de um amor, a maioria veio ao mundo pra ser moeda de troca.

Ninguém vai ao templo pedir pra abrir a mente para as Verdades Espirituais, pra dar um salto quântico de consciência ou pra se livrar dos vícios emocionais e mentais que tem. Você vai?

Se sim, você é o cheiro da raspa de um tacho em extinção do qual só restam fotos em museus. Virtuais.

Os 'bons' não são maioria, muito pelo contrário. Os tanços, sim. Como citado num filme do qual não me lembro o título no momento: 95% das pessoas desse mundo são idiotas. Bom pra elas, porque sem dúvida nenhuma, são bem mais felizes  do que os que nadam contra a corrente tentando não morrer na praia, como eu.

E se você também estiver na contra-corrente (E se estiver mesmo e por ventura passar nadando por mim, entre um coral ou uma alga e outra - ou mais provavelmetne entre um entulho e uma garrafa pet jogada ao mar e outra - me dê um aceno ou um alôzinho; vou gostar de saber que não estou tão sozinha), deve também sofrer por se sentir um ET num mundo onde a maioria quer mesmo acreditar que a Coca-Cola e o McDonald's querem que você seja feliz.

O que não é de estranhar num mundo onde o status quo ainda estabele como 'normal' que as pessoas se alimentem de cadáveres e considerem aceitável que para uma moçoila usar sua adoradas maquiagens um coelho tenha tido partes do corpo mutilada para testes. Nada demais numa economia mundial que se sustenta em cima da exploração animal. Nada demais num planeta que trata como um deus e paga milhões pra um ignorante capaz de marcar um gol, e festeja isso como se ele fosse o salvador da pátria e de fato tivesse feito algo magnífico pela humanidade.
Nem há de se estranhar que grandes chefes de cozinha considem os vegetarianos 'a pior espécie de gente que existe', uma verdaderia 'escória', na opinião de um deles.

Thomas Gray (1716 - 1771), poeta inglês, estava com a razão:

"Yet ah! why should they know their fate?
Since sorrow never comes too late,
And happiness too swiftly flies.
Thought would destroy their paradise.
No more; where ignorance is bliss,
'Tis folly to be wise."


A Ignorância é mesmo uma Benção.