quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Celebrar Oxossi - Oshossi, orisha of the Knowledge


(for the English version, just scroll down)

Ontem no Brasil nós celebramos Oxossi, orixá yorubá trazido a nossa cultura pelos africanos mas também sincretizado com as divindades caçadoras nativas e até mesmo santos católicos, como São Sebastião e São Jorge.
Na sociedade atual todos nós somos caçadores. Todos estamos 'caçando' uma melhor posição profissional, um relacionamento melhor, um melhor status quo, de todas as formas possíveis dentro da realidade de cada um.
Embora não vivendo mais numa selva, nossas mentes ainda estão preparadas para uma busca sem fim pelo aperfeiçoamento e, principalmente para a obtenção do objetivo final de toda caçada: A Felicidade - ainda que temporária, como a satisfação obtida através de uma farta refeição.

Oxossi tem similaridades com muitas outras deidades da floresta, tais como Herne, Cernunnos e até mesmo algumas divindades femininas, como Ártemis. Aqueles sob sua bênção costumam ser inteligentes, quietos, sinceros, ágeis e certeiros. Nas religiões populares brasileiras, marcadamente no Candomblé e na Umbanda, as pessoas pedem seu auxílio para curar problemas de saúde através do uso das ervas, para conseguir um emprego e também para assuntos relativos aos estudos e propósitos acadêmicos.

Dito isto, é fácil perceber que seu culto demanda de seus seguidores Dedicação, Disciplina, Habilidade e Preparo para a ação. Um caçador ruim está fadado à morte e certamente colocará aqueles sob sua proteção em risco.

Não por acaso, Oxossi é o patrono da Umbanda, a forma de espiritualidade brasileira mista, mágico-religiosa, que já cruzou as fronteiras nacionais e alcançou os Estados Unidos, a Inglaterra, Portugal, Espanha e até o Japão, sem mencionar suas extensões por toda América Latina.
O que é bastante previsível uma vez que todas as formas de espiritualidade xamânicas de conexão com o 'divino' aumentaram seu poder de atração para aqueles que não encontram conforto nas religiões majoritárias ocidentais baseadas na antiga fórmula "Tema - Creia - Não Questione".

Pessoalmente eu sempre acreditei na Umbanda como uma forma de espiritualidade para as Américas - não que ela não possa ser adaptada para outros continentes, mas culturas milenares já têm suas próprias vertentes. Nós somos as "nações crianças" de apenas 500 anos, que precisam de contato com seus pais e sua ancestralidade para aprender a caminhar pela vida.

A formalização e categorização da Umbanda ainda é um trabalho em andamento que já dura um século, portanto suas regras variam de acordo com o sacerdote em comando, os livros que aquele grupo específico de umbandistas acredita fornecerem as melhores explicações, e as tendências pessoais que os afinizem mais às práticas africanas, católicas, kardecistas ou xamânico-nativistas.
Entretanto alguns pontos básicos permanecem - ou pelo menos DEVERIAM permanecer:

1- a prática da caridade através de atendimentos espirituais não cobrados;
2- estados alterados de consciência provocados pela proximidade com entidades de 'outros mundos' (sendo a natureza desses mundos, se o paraíso, Aruanda, o além-túmulo, universos paralelos ou multidimensões um assunto aberto à discussão);
3- o comprometimento por parte dos membros participantes em se tornarem cada vez mais conscientes e despertos para atuarem como ferramentas úteis para o guias espirituais em torno de cuja assistência todos os médiuns e frequentadores dependem.

Sendo assim, no dia em que celebramos Oxossi nós devemos nos lembrar de que sermos:

* LEITORES dos melhores livros escritos por aqueles que dedicaram sua vida à pesquisa da Umbanda e de outras formas de espiritualidade,
*ALUNOS desses mestres nos cursos disponíveis
*APRENDIZES da natureza, alguém que PRESTA ATENÇÃO ao seu redor e
* APRENDE COM A EXPERIÊNCIA DOS MAIS VELHOS; ser um
*BOM OUVINTE antes de ousar ser um ORADOR

e lutar contra o ego e a ânsia de se tornar uma CELEBRIDADE DA UMBANDA são as melhores formas de honrar nosso patrono.

Não apenas porque, como diz o canto de um dos nossos mais tradicionais pontos:
"Pisa devagar na Umbanda
Pisa com cuidado, que é pra não tombar"
mas porque por causa da sua inexperiência e anseios por ser popular e amad(a)/(o) - a maior armadilha do ego! - você acabará levando outros para um declive muito perigoso, e daí você verá cada um daqueles que acreditou em você caindo do precipício em desgraça, enquanto você alega que "sempre só desejou fazer o bem".

Vocês que acreditam que "Boas Intenções Bastam" - tenham cuidado!
Preparação na Umbanda é obrigatória e não opcional.

Ofereça seus respeitos a Oxossi não apenas cantando pontos, dançando e fazendo merchandize da nossa religião, mas sim lutando contra a IGNORÂNCIA E O EGO!

Então, sim, você poderá chamá-lo de "Meu Pai".

English Version

Yesterday in Brazil we celebrated a deity known as Oshossi (Oxossi in Yoruba language), brought to our culture by the Africans but also syncretized with de native hunter deities and even catholic saints, such as Saint Sebastian and Saint George.
In nowadays society we are all hunters. We are all hunting down a better work position, a better relationship, a better status quo, in any of its multiple possibilities.
Though not living in the jungle, our minds are still set for the endless seek for embetterment, improvement and, ultimately the main goal of every hunt: Happiness - even a short term one, like that provided by a fancy meal.
Oshossi has similarities with many other forest gods: Herne, Cernunnos and even female ones, like Artemis. Those under his blessings are believed to be intelligent, quiet, sincere, agile and straight to the point. In popular Brazilian religions, remarcably Umbanda and Candomble, people ask for his assistance for healing health problems through the use of herbs, for getting a job and also for study and academic purposes.

That being said, it easy to perceive his cult demand that his followers are dedicated, disciplined, skilled and prepared for the action. A lousy hunter is set for death and certainly set to put those under his protection at risk.

Not by chance, Oshossi is the patron of Umbanda, the very mixed magical-religious Brazilian form of spirituality, which already has crossed national borders and reached the USA, UK, Portugal, Spain and even Japan, not to mention its spread through all Latin America.
That's quite predictable since all kinds of shamanic spiritual forms of connections to the "divine" have increased their appeal to those human beings who do not find comfort in formal based "Fear - Believe - Do not Question" major Western religions. Personally I have always believed in Umbanda as a particular model for spiritual connection with our ancestry for all the 3 Americas, although adaptable to any continent - just they already have theirs being thousands of years old.
We are the "children-nations' who need contact with our parents and our ancestry to be able to walk our journey through life.

Formalization and Cathegorization of Umbanda is still a work in progress, and has been for the last century, so its rules vary according to the priest in charge, the books believed to present the best explanations and personal tendencies towards African. Catholic, Kardec-based-form-of-Spiritism, or Multiethnical Shamanism forms of practicing the cult.
Neverthless some basic points remains - or at least SHOULD remain - the same:

1- spiritual services are for free,
2- alterate states of counciouness provoked by the proximity with entities of the 'other world' (If these worlds are inner, outer, parallel, multidimensional, tyr-nan-og-like, heaven, beyond death, spiritual-home or whatever is open to discussion),
3- and commitment from the members of the cult in becoming more and more aware and a useful tool for the spiritual guides around whose assistance all members and attendees depend on.

So, summim up, in the day we celebrate Oshossi we must remember:

*being a READER of the best books written for those who dedicated their lives to the study of Umbanda and other kind of spirituality,
*being a STUDENT of those said masters and also
*an APPRENTICE of Nature, someone who PAYS ATTENTION to theirs surrowndings, and *LEARN FROM EXPERIENCE OF ELDERS,
* being a good LISTENER BEFORE dare to be a SPEAKER and
*fight against ego and the yearn to become a Umbanda Celebrity are the best ways to honour our patron.

Not only because as the saying in one of our many traditional chants warn us:

"Step carefully while following the Umbanda path
Step wisely so that you won't fall...."

But because of your inexperience and eagerness to be popular, (and "loved" - the uttermost Ego trap!) you might lead others to the cliff, and then, you'll see each one of those who believed you falling into desgrace while you claim that 'you have always meant to do good".

"Best intentions" believers - be careful!
Preparation in Umbanda is mandatory, not an option.

Pay your respects to Oshossi not by singing and dancing and marketing our religion, but by fighting Ignorance and Ego.
Then, you may call Him "Your Father".


Nenhum comentário:

Postar um comentário