segunda-feira, 10 de agosto de 2015

O Desabrochar da Mediunidade de Pai Arruda

A HISTÓRIA DE PAI ARRUDA


Essa semana estamos divulgando trechos da obra "A História de Pai Arruda".

Neste trecho vemos que a sintomatologia mediúnica pode variar de médium para médium; no caso do jovem africano que viria a se tornar Pai Arruda, as visões em estado de vigília e as experiências com sonhos marcam profundamente o seu ingresso no caminho do sacerdócio.
~*~
Curta a página no Facebook: https://www.facebook.com/Amor.Magia.Destino?ref=aymt_homepage_panel
~*~
Sinopse: Um jovem africano ágil, astuto e feliz chega ao litoral da Bahia por volta de 1750, como tantos outros trazidos pelo comércio escravista. Este, especificamente, tinha uma missão especial traçada pelo Alto: tornar-se sacerdote e levar a todos o bálsamo da cura. Mas cruza-lhe o caminho um ávido feiticeiro das trevas, um senhor de engenho manipulado por espíritos macabros e sua jovem cunhada, cuja presença na fazenda era sempre prenunciada pela visita de cobras, compondo todos o cenário de um drama humano em que brancos e negros são movidos por um doloroso resgate cármico.
Esta é uma história real que expõe as adversidades por que passaram os negros escravos em solo brasileiro, particularmente aqueles que possuíam dotes mediúnicos. Mas não é somente a história de um escravo que tornou-se preto velho no Espaço, nem apenas mais um enredo envolvendo elos cármicos. A História de Pai Arruda mostra os escaninhos da evolução de muitos seres humanos ao longo de muitos séculos, em diversas partes do planeta, para chegar aos terreiros de umbanda da atualidade, grande cadinho onde se amalgamam almas comprometidas que resgatam dívidas pretéritas por meio da prática da caridade.
Além de nos colocar como espectadores, por trás da visão de um menino-homem predestinado ao sacerdócio, podemos testemunhar, sob sua própria ótica, como se davam os primeiros rituais afro-brasileiros numa época em que a umbanda ainda não existia, e sentir na pele o desabrochar de suas experiências mediúnicas.
A História de Pai Arruda é um romance muito envolvente e sobretudo um convite para que cada um tome a decisão de abandonar os porões escuros da própria alma, alçando voo a paragens mais luminosas, a que somente a libertação da consciência conduz.


O DESABROCHAR DA MEDIUNIDADE DE PAI ARRUDA

Esta semana estamos divulgando alguns trechos do livro "A História de Pai Arruda". Neste trecho vemos que a sintomatologia mediúnica pode variar de médium para médium; no caso do jovem africano que viria a se tornar Pai Arruda, as visões em estado de vigília e as experiências com sonhos marcam profundamente o seu ingresso no caminho do sacerdócio.

“Numa outra noite em um outro desses ‘jantares’ em ‘casa’ de Luzia e Benedita, foi que tudo à minha volta, em minha vida e dentro de mim, começou a mudar.
* * *
Tomé levou para nós umas rachas de mandioca, que comecei a limpar, e Benedita a levar para fora para cozinhar. Luzia em silêncio pitava uma espécie de fumo enrolado. Tomé ainda terminava algum serviço e logo viria comer com a gente, assim que a mandioca estivesse no ponto. Eu então cortava os pedaços, limpava o grosso da terra da raiz e dava cum talho no meio pra cozinhar; uma tarefa lenta e repetitiva que de repente me fez sonhar acordado. A princípio achei que eram apenas pensamentos meus, delírios, bobagens que a cabeça pensa e as idéia encadeia sem muito sentido:

O fio que vara o miolo da mandioca parecia um cordão umbilical, e Luzia estava grávida, mas ao mesmo tempo já tinha parido, e havia dois meninos, mas já eram crescidos, e então Tomé chegou, mas em vez de cumprimentar Luzia, olhou direto para mim, olhos esbugalhados, e eu sabia que sua atenção total estava sobre mim, embora eu não pudesse disso saber, pois não estava olhando para ele, e então, quando levantei a cabeça, havia muita fumaça de cigarro em volta de Luzia, muito mais do que o normal e ali dentro daquela fumaça dois meninos catavam galhos e os limpavam numa floresta, mas eles não estavam ali, então como eu os estava vendo? E vi uma lágrima que não queria descer do olho esquerdo de Luzia, e então gritei:

- Onde estão teus filhos!?

E Tomé ergueu sua mão direita e veio em minha direção, pronunciando palavras que eu nunca ouvira, mas sabia que eram africanas. E quando sua mão pousou em minha testa, apaguei.

* * *

Eu estava deitado, suspenso sobre os céus da África; abaixo de mim via os leões, elefantes, leopardos, ficando para trás em incrível velocidade. Por um breve instante questionei como poderia estar vendo os animais lá embaixo no solo, se minha face estava voltada para cima, em direção às estrelas, mas logo minha atenção foi atraída para seis fortes e intensas luzes à minha volta, que ofuscavam o azul claro do céu e as nuvens. Acima e ligada a essas seis luzes, uma muito maior se estendia até cobrir toda a Terra. As luzes falavam comigo e eu as compreendia, embora posteriormente não fosse me recordar do que disseram. Numa incrível velocidade, o céu ficou escuro e me vi levado, sobrevoando ainda naquela mesma posição, todo um mar de águas, o oceano Atlântico, e então, entre estrelas, uma constelação brilhou em forma de cruz no céu e me vi deitado sobre chão de terra.

Abri os olhos e divisei luzes dispostas em círculo ao meu redor, tochas a certa distância. Senti cheiro de ervas e percebi que meu corpo estava sobre uma esteira delas. Era noite e acima de mim avistei, muito menor e menos brilhante, a constelação do Cruzeiro do Sul. Ao meu lado, calmamente em silêncio, Tomé fumava algo que se assemelhava a um cachimbo. Busquei em minha mente minhas últimas lembranças e recordei que iria jantar com Luzia e Benedita, das mandiocas...

- Tomé – falei com a voz rouca e fraca – onde estou?

Ele tragou o fumo mais umas três vezes antes de responder.

- Bem no centro do meu terreiro. “


http://edconhecimento.com.br/?livros=a-historia-de-pai-arruda

3 comentários:

  1. queria te dizer q tenho ouvido suas entrevistas e q isso esta me abrindo pra noçoes q eu nao tinha, então sabe super maxi plus grata

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Siusi , fico muito feliz que o trabalho esteja ressoando para quem ele existe! Convido a solicitar entrada no grupo Terra Stellar de Estudos de Espiritualidade Avançada onde você poderá baixar o livro A Aldeia de Sirius C gratuitamente. Grande abraço e gratidão pelo contato!

      Excluir
  2. eu que agradeço Jennifer . torço pra ce manifestar plenamente seu desígnio divino . divina liberdade , divina abertura para essa luz ,divina compreensão .

    ResponderExcluir