domingo, 6 de setembro de 2015

Qual a Chave para a Sua Felicidade?

QUAL A CHAVE DA SUA FELICIDADE?
série: "Perguntas Essenciais do Espiritualista"


~*~se você gostou do texto, curta a página Amor é Seu Destino: https://www.facebook.com/Amor.Magia.Destino"~*~

Depois de você responder a si mesmo sinceramente a que mundo pertence, vem a 2ª pergunta mais importante:Qual a Chave para a Sua Felicidade?


Para ilustrar essa questão vou contar uma historinha:

Era uma vez uma menina que sonhou em fazer faculdade de medicina, ela pensava em quão maravilhoso seria poder curar os doentes, mas também pensava, porque era humana, que se ela formasse seria a primeira médica da família. Caso passasse poderia morar numa das repúblicas da universidade pública, e então não precisaria mais dividir o quarto com 4 irmãos menores e bagunceiros nem presenciar as brigas cada vez que o pai chegava bêbado em casa. Pensava que poderia conhecer o amor da sua vida na faculdade, e que provavelmente ele seria de boa família, de posses, afinal não é qualquer um que pode bancar uma faculdade de medicina. Então, de diversas maneiras a Medicina representava para ela o pote de ouro no final do arco-íris, pois se ela conseguisse passar no vestibular teria acesso a realizar praticamente todos os seus outros sonhos! E por isso ela se dedicava, estudava e estudava...

Mas embora fosse inteligente, ela não passou, e após três anos de tentativas, as necessidades financeiras fizeram com que escolhesse outra opção, e ela escolheu o que de mais próximo pode de uma faculdade de medicina, que foi o curso técnico de instrumentação cirúrgica. E assim ela pode, pelo menos trabalhar e viver dentro do ambiente que a atraía.
Embora tentasse por várias vezes, não conseguiu namorar firme com algum médico, mas casou-se com o técnico de enfermagem.

A vida prosseguiu, e filhos vieram, um com deficiência grave, para qual os conhecimentos de ambos os pais foi muito útil nos cuidados domésticos, e uma filha que desde pequena foi mais do incentiva, mas 'coagida' fazer a faculdade de medicina quando crescesse.

Mariana cresceu ouvindo a história da luta da mãe para conseguir entrar na faculdade, da luta dos pais trabalhando no hospital, da luta dos pais criando um filho deficiente, e da luta dos pais em bancar seus estudos para que ela pudesse realizar o sonho que a mãe não pudera.

O namorado de Mariana, que era músico e fazia escola de circo, embora a amasse, foi tão maltratado que não aguentou o repúdio da família e se afastou, o que só aumentava a infelicidade de Mariana. Mariana fazia terapia, pq tinha tendência à depressão. A mãe dizia que era por causa do namoro frustrado. Mariana dizia que não sabia, que era a química do seu cérebro, porque não tinha do que reclamar: pais trabalhadores que sempre a incentivaram para o melhor e que lutavam para que ela pudesse fazer Medicina, que afinal era o sonho de muito gente.

Um dia Mariana teve uma crise de pânico e recebeu um diagnòstico preciso e passou a intensificar a terapia e jamais descuidava dos remédios. A mãe apresentou um estudante de Neurologia e eles começaram a namorar, pois Mariana era além de esforçada muito bonita. A mãe de Mariana tinha certeza de que agora tudo melhoraria e que a filha seria feliz num novo relacionamento com uma pessoa 'estável', de bem.

No terceiro ano de faculdade e noiva, Mariana tomou uma overdose de substâncias químicas e energéticos com o propósito de ficar acordada para estudar para as provas e participar do plantão como assistente. Mariana entrou em coma.
Durante o coma, a alma de Mariana não conseguia decidir voltar ao não para sua vida, pq a vida que ela vivia era o sonho de muitas pessoas, mas não o dela. Mariana reconhecia que o noivo era ótimo, mas sentia falta do estudante de circo que a fazia rir e tinha alma de poeta. Mariana valorizava o trabalho dos pais e não queria decepcioná-los, mas ela não tinha paciência com crianças, não queria ser pediatra, tinha nojo de sangue, nojo de catarro, nojo de bilis, nojo de vômito. Mariana era grata ao fato de existirem médicos abnegados, mas ela não era uma dessas pessoas, mas não tinha coragem de decepcionar a todos, revelando-se ser uma pessoa que não correspondia a expectativa que todos nutriam dela. Entre perder o amor de todos que ela amava, Mariana achava mais fácil partir.... Doeria menos a todos aceitarem que fora o 'Destino" do que ela bancar ser uma pessoa que não correspondia a imagem que todos tinham dela.

Mariana nem mais se lembrava de que quando criança,sonhara em ser aeromoça, porque quando falara nisso, a mãe logo falava como era lindo ser médica, e que tinha certeza de que teria uma filha médica.
Do coma para a vida, seria uma escolha difícil: decepcionar a todos para viver a sua própria vida a partir de seus próprios gostos e valores.
E se você estivesse no lugar de Mariana: o que escolheria?
A sua morte que manteria sua imagem em vida de filha e noiva amada, retirada por Deus tão brevemente?
A sua vida e a morte da ideia que os outros têm de você, a morte dos sonhos dos seus pais que você tanto ama, ou a decepção de uma pessoa boa que você até ama, mas não tanto ao ponto de desejar partilhar a vida ao lado dela para sempre?
A sua resposta, a resposta de Mariana, a resposta de todos nós impõe uma escolha:
A chave que abre nossa felicidade, com frequencia não é a mesma que abre a das pessoas que mais amamos.
E vice-versa.

Conheça sua chave.
Entenda suas prioridades.
Fortaleça suas escolhas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário