sexta-feira, 12 de maio de 2017

VENUS' CREED


Nós, filhos de Vênus, sabemos priorizar aquilo que realmente importa,
que alimenta a alma, eleva o espírito e faz tudo o mais valer a pena

Só nós, filhos da Deusa do Amor, sabemos realmente do que somos guardiões

Nós fazemos santuário da Alegria Suprema que há de regenerar cada coração partido, cada alma atribulada, cada sonho despedaçado


Nós, os filhos do amor, mantemos silêncio sobre as nossas sagradas funções


Porque compreendemos, que os outros não sabem... não sabem...
Pobres seres em busca de ilusões...
Eles apenas não sabem...


Mas quando estiverem prontos, nós estaremos aqui, 

com nossa ânfora sagrada na mão, plenos por despejar sobre eles a bênção que tanto procuram

Nós fomos agraciados com a ciência de conhecer primeiro o ponto de chegada que todos descobrirão depois


Por isso somos o riso, o som do êxtase e o brilho do prazer


Somos os Filhos de Vênus e mantemos acesa a chama do Amor de Deus

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Duas Lições de Amor


As questões que envolvem o relacionamento a dois são as que mais consumiram e que consomem meus neurônios nesta vida. Eu acho que nasci pra resolver várias dicotomias nesse sentido porque acredito que num relacionamento compartilhado por um casal realmente comprometido um com o outro, em que de fato existe uma parceria, está a chave da cura de ambos.

Eu creio que quando as pessoas param de sofrer por amor, a alma se liberta para poder AMAR verdadeiramente em todo seu esplendor.
Eu também acredito que ao alcançar esse estágio um casal se torna um farol, não para os outros, mas para tornar todos os caminhos que o amor trilha ainda mais visíveis para que mais histórias bem sucedidas possam ocorrer.

Mais que tudo, eu acredito na imperiosa necessidade de o Amor florescer, e por isso, se me fosse concedido um superpoder, eu pediria para andar atrás do Cupido, com um bálsamo na mão, para derramar sobre as dores de amor dos outros e convencê-los de que a ferida do filho de Afrodite não intenciona matá-los mas sim iluminar suas vidas trazendo à luz tudo aquilo que está trancado dentro do peito, e não por acaso, bem guardado ali no chakra cardíaco, que é o Chakra da Integração.

Por conta disso, quero compartilhar com quem me ler, duas lições de amor, praticamente tudo o que de mais importante aprendi nessa jornada, especialmente no Xamanismo, através das medicinas da florestas, como o rapé, que eu amorosamente chamo de Pai Rapé, e que me aconselha quando me encontro numa dessas encruzilhadas sentimentais que fazem a gente perder o prumo.

Não fosse pelo Amor jamais nos arriscaríamos a expor nossas fraquezas, nossos mais escondidos temores, não colocaríamos em cheque nossa própria imagem perante os amigos, família, colegas de trabalho. Uma pessoa apaixonada pode ser algo bem estressante para quem está ao redor. A verdade é que chega um ponto em que todos falam (ou pensam): "Por favor, apenas supere isso! Não te aguento mais desse jeito!"

E aí restam as terapias, os livros de auto-ajuda e os meios que cada um conseguir encontrar para lidar com uma dor que não dá para ser esquecida porque simplesmente ela não pára de queimar - mesmo que todos, inclusive você, quisessem muito que isso pudesse ocorrer.

Mas a flecha do Cupido infecciona, por isso não adianta fingir que ela nunca ocorreu.
A flecha vai ficar ali e te deixar febril até que você desenvolva anticorpos contra todos os efeitos colaterais que ela te faz sentir.
A flecha de Eros te abriu uma ferida e não há outra opção a não ser tratá-la; quanto mais você fingir que ela não está ali mais ela vai doer e espalhar a infecção para outros órgãos.

O Cupido, meus amigos, é aquela doença crônica que chega para obrigar a quem nunca ligou pra saúde a mudar de hábitos. Definitivamente. Se quiser viver.

A flecha espetada no seu cardíaco é de ouro, e traz gravada uma inscrição:


"Decifre-se ou Consuma-se"

Enquanto a Esfinge de Tebas convidava à reflexão sobre a condição humana, o Cupido é uma criatura mitológica que propõe encontrar nesta mesma condição a resposta na análise da mais básica síntese da experiência humana: a busca pelo Amor.




Somente quando compreendemos os nossos mecanismos internos e como eles muitas vezes conflitam entre si é que começamos a vislumbrar o fio do novelo das nossas conturbadas emoções. Embora cada um tenha de fazer a jornada por si, e um texto não pode suprir toda a necessidade de um acompanhamento terapêutico, há algo que eu posso compartilhar com você, que acredito seja de grande valia para lidar com todas as suas questões desse assunto, sejam quais forem:

"Independente do que tenha ocorrido, ocorra ou ocorrerá, não desperdice seu tempo procurando compreender a mente, as emoções, as dificuldades e as motivações do outro. Empenhe toda a sua energia buscando entender como funciona a sua mente, os seus mecanismos de fuga, a sua negação de emoções, os seus entraves e as SUAS REAIS MOTIVAÇÕES."

Isso não é falta de amor, nem de empatia. É pura estratégia cirúrgica.


A seu lado estará outra pessoa com uma flecha atravessada ao peito, lutando para sobreviver e sem saber como.
Acredite: essa pessoa já tem coisas demais para se ocupar, e se você permanecer focada no processo dela, não irá ajudá-la - afinal você não é o cirurgião e sim também paciente neste momento - e muito da sua alegada preocupação com o outro, mesmo ele sendo seu GRANDE AMOR, tem uma grande parte de alienação quanto às suas próprias necessidades e de  negação do seu próprio poder ao se ver envolvida nesse processo de emergência médica.

Uma pessoa em dor intensa não consegue lidar com a dor do outro. Um acabará culpando o outro ou acusando-o de insensibilidade quanto às suas necessidades e pela sobrecarga que carrega.

Ambos procuram alívio, não tendo para si, como poderão ofertar o que não têm?

O que fazer, então?

1- A Lição do "Quem pariu Matheus que o embale"

Todos carregamos em algum nível as dores da negligência parental; não importa o quanto nossos pais tenham sido bons, em algum momento eles nos decepcionaram e muito.

No relacionamento com o par é natural que inconscientemente procuremos uma espécie de RESSARCIMENTO por essas dores.

"Você disse que me ama, então você tem de me compensar por isso, isso, aquilo e aquilo outro que me aconteceu, por tudo o que eu não tive na infância, pela vida difícil que eu passei, por conta da minha condição fisica, pela minha doença, porque sofri muito nos meus antigos relacionamentos etc etc etc..."

É louco, né? Mas é REAL.

E você também faz isso, esteja consciente ou não. Apenas pare de negar.

Você, sendo uma pessoa adulta e querendo ser feliz no amor provavelmente não deseja impor essa carga ao seu parceiro, porém a Criança Interior ferida que nós todos carregamos não liga para o nosso senso de certo/errado. Ela só quer ser compensada.
Agora. Já. E fará birra caso não consiga o que quer.

Como lidar com isso?
Da mesma forma que lidamos com uma criança mimada que está incomodando demais e todo tipo de diálogo já foi tentado: dando a ela o que ela quer.

Ela quer atenção? Dê.
Ela quer carinho? Dê.
Ela quer viajar, ir passear e ganhar presentes? Dê, dê e dê de novo.
Dê tudo o que ela quer até que ela esteja satisfeita e convencida de que é amada e volte a confiar que terá suas necessidades atendidas.

Só tem um detalhe: quem tem que dar todas essas coisas para a sua criança interior, quem tem que suprir TODAS as necessidades dela é VOCÊ. Não é seu parceiro.

Mime-se, leve-se para passear, compre-se presentes e dê-se flores no café da manhã.
Seu parceiro tem a Criança Interior dele para saciar, acalentar, acalmar... E acredite, é uma criança bem teimosa, chorosa e traumatizada também.

Libere o outro do fardo de ter de fazer você feliz.

Encare a oportunidade de amar apenas como a dádiva que é.

Seja grato pela oportunidade de poder estar em contato com os sentimentos mais profundos do seu ser.


Quando tiver feito isso, você verá simplesmente a flecha que estava fincada em seu peito cair; esse é o princípio do caminho da cura.




Ao separar essas duas coisas  - a não-obrigatoriedade do outro em te fazer feliz e o Amor como um fenômeno à parte e isolado - fica mais fácil observar outras questões que causam desgaste no convívio, como finanças, criação de filhos, vida social, escolhas profissionais etc.

Ao impedirmos o conceito do "Você tem de me fazer feliz senão é porque não me ama" de entrar no meio da conversa, fica mais fácil abordar as dificuldades de forma objetiva focando em soluções concretas e sem esbarrar nas armadilhas das chantagens emocionais, expressas verbalmente ou não, pois a manipulação das emoções do outro mina a confiança do casal e acaba por promover o afastamento entre ambos.



2- A Lição do Piano

O piano, um dos mais românticos instrumentos musicais, é tocado com duas mãos. A mão esquerda em geral permanece do meio para a parte oeste do teclado, sendo responsável pelas notas mais graves e encorpadas. É essa mão que marca o compasso da melodia, dando acompanhamento à mão direita, que se move ao leste, dedilhando o ébano e o marfim com maior velocidade, enriquecendo com notas mais altas e formando acordes que definirão em conjunto a harmonia da melodia.

A mão esquerda é uma mão que toca na maioria das vezes de forma mais lenta, e a direita, mais rápida, não repetirá as mesmas notas que a esquerda. Mão direita e mão esquerda tocam notas afins, porém diferentes.
Elas têm ritmos, notas e sonoridades distintas.
Mas seu destino é o mesmo pois elas fazem parte de uma mesma canção.

Então, por favor, em nome da beleza do ritmo da vida, pare de exigir que seu par faça as mesmas coisa que você, do mesmo jeito que você, que tenha as mesmas perspectivas que você.

Parte do charme dele é justamente ter um panorama totalmente diferenciado do seu, pois sua área de ação é o outro lado do piano. Aprenda a ver nas diferenças a fortaleza dessa relação e não o problema.

Nem caia na armadilha na qual muitos caem de 'desistir do seu próprio ritmo', quando desistem de seus interesses e ideais por conta do medo de perder o vínculo da relação, passando então a procurar 'se adaptar ao ritmo do outro'. Quando isso ocorre, algo muito ruim acontece: ao adotar o compasso e as notas do outro, a pessoa acaba por se esquecer de quem realmente é, e inverte o seu senso de identidade assumindo o da outra pessoa.

Ela não será feliz, e o outro acabará por sentir falta daquilo que um dia tanto tentou mudar.

Quando isso ocorre, a música cessa.


~*~

Era isso que o Pai Rapé me pediu pra escrever hoje.

Essa é minha contribuição, do fundo do meu coração, para que sua história de amor um dia vire canção e possa ser ouvida, por muitos e muitos anos....

Em tempo: A Esfinge de Tebas, uma vez decifrada, ao invés de devorar quem a desafiava, atirou-se de um precipício, por isso vale a pena enfrentar nossos monstros em prol do suicidio coletivo de todos os nossos medos.


Jennifer Dhursaille






quarta-feira, 19 de abril de 2017

Adendos à postagem Anterior "A GRANDE MENTIRA QUE TE CONTARAM"



Por conta da postagem anterior http://jenniferdhursaille.blogspot.com.br/2017/04/a-grande-mentira-que-te-contaram.html, como já era de se esperar, surgiram muitos questionamentos na página do Facebook, Terra Stellar, a respeito das controvérsias que o tema incita.

Colo abaixo alguns dos comentários  e minha contribuição a eles,  porque percebo que são os mesmos questionamentos que se repetem sempre que essa questão vem à tona. Os nomes completos dos leitores foram ocultados a fim de preservar sua privacidade.



Diego: Vou dividir um pensamento que tenho sobre o tema que vai na mesma linha: fala-se que todas as encarnações são planejadas minuciosamente pela luz. Aí vc pega esses caras que cometem atrocidades gigantes, governantes como o da Síria e Coreia do Norte, exemplificando uns extremos. Foi planejado pela luz, esses caras la? Porra, na boa, Não vejo sentido algum nisso. O cara não virou um demônio nessa encarnação, ele já tem essa tendência dentro dele, E bem forte. Logo, um cara passa fome para expiar os erros Do passado com a própria família, enquanto outros são colocados na posição de líderes mundiais com essas tendências? Desculpe, não vejo sentido. Acho que minimizam nossa atuação no mundo quando batem na tecla do "Tudo nos planos de Deus".

Jennifer Dhursaille Nossa, Diego, é EXATAMENTE ISSO! Um raciocínio muito sem lógica nenhuma e que há décadas nos é passado sem nenhum questionamento! Só o véu de Maia mesmo tapando os nossos sentidos pra justificar tamanha absurdidade sendo aceita como 'mecanismo divino'. Abração!


Diego: Outro ponto: a terceira dimensão é uma imagem pálida da dimensão espiritual. Sério? Então das duas uma: ou o plano espiritual é um forfeu igual o físico, ou essa afirmação é mentirosa.

Jennifer Dhursaille Então, Diego, se todos conseguissem fazer esse questionamento, chegariam a conclusão óbvia: o plano espiritual não é essa perfeição à prova de erros que - principalmente o pessoal do kardecismo - quer nos fazer crer que seja. Existe burocracia e divergências de opinião lá também, e como sabemos, a lei universal da afinidade rege todas as nossas relações, logo esse é o perigoso terreno das crenças e das doutrinações. Algumas pessoas surtariam se tivessem que lidar por exemplo, com a ideia de que já foi guia ou mentor de uma reencarnação daqueles que hoje são seus guias. Isso se deve à necessidade de se sentir seguro num sistema à prova de erros. Seria, na mente imatura deles, desafiar o conceito de que "Deus não erra". De fato, a Fonte e o sistema criado por Deus acabam por se auto-corrigir, mas no meio do caminho, muita coisa dá errado e precisa ser corrigida, como nos contam as Guerras de Orion, e tantas outras histórias de foco verdadeiramente universalista. O forféu é geral.


Diego:  Concordo. Se Kardec pensasse como a maioria dos espíritas atuais, continuaria católico.


Sergio:  Nao vamos nos esquecer que nos traçamos nossos passos no plano espiritual mas também temos o nosso livre arbítrio para fazermos o bem e o mal quando erramos fazemos o mal voltaremos com débitos ainda maiores para nos purificarmos a pressa disso tudo e nossa a espiritualidade nao tem pressa disso você veio nao se melhorou e uma encarnação a mas que vai ter Que ter para se melhorar

Jennifer Dhursaille A reencarnação é algo natural em qualquer parte do universo, mas aqui no planeta Terra tem corrupção em tudo, inclusive em instituições religiosas que 'subiram' por assim dizer, de plano e instituiram seus conceitos de 3D nas colonias espirituais, conduzindo as pessaos desencarnadas a escolhas equivocadas. A grosso modo, o antidoto pra isso é se guiar pelo amor e refutar toda e qualquer ideia de culpa qdo se trata de evolução. 
Se errou, tenta de novo, pq seu espirito quer compreender e superar uma questão, não pq ele sofre de culpa pro conta de erros que os outros dizem imperdoaveis. A nossa consciencia é nosso pior julgador, por mais erro cometido, o caminho é compensar, não sofrer. 

Não adianta ter tido uma clinica de aborto e 'pagar' sendo esteril; e sim por exemplo, pelo caminho do amor, abrindo um orfanato, é uma forma de compensação muito mais útil. 
Infelizmente as próprias filosofias e religiões, que no Brasil têm grande influência sobre a forma como a espiritualidade é concebida, apesar de afirmarem que se pode evoluir pelo Amor ou pela Dor, nos passam nos livros, cursos e palestras, que somos seres que merecem ser infelizes por todos os erros e culpas que carregam. Se Deus nos fez, ele sabe exatamente a medida de nossa capacidade e não nos exigiria êxito onde não temos condições.


Sergio:  Para as pessoas entenderem um pouquinho sobre nosso cenário politico no Brasil no sentido do conhecimento espirita recomendo lerem o livro Brasil coração do mundo Pátria do evangelho vai conseguir entender quanto os demais países basta nos analisarmos que vivemos nas épocas das cruzadas e aplaudimos os acontecimentos muitos ate hoje aplaudem a pena de morte nos fomos ao coliseu e aplaudida pessoas sendo devoradas por leões etc então merecemos padecer lei de causa e efeito aquele que mata pela espada morrerás pela espada

Jennifer Dhursaille Desculpe, Sergio, mas não posso concordar com isso. Recomendo o livro O Vale dos Espíritas, pela Editora do Conhecimento, onde vemos como o ensinamento do Cristo foi deturpado pelos próprios espíritas que se apressam em se tornarem juizes da vida de seus irmãos, em vez de trabalharem suas próprias sombras, o que realmente poderia lhes trazer alguma luz à alma e principalmente ao coração.


Sergio:  O livro e escrito pelo nosso querido Chico xavier pelo irmão X ou Humberto de Campos que fez parte de nosso senario politico a resposta que eu coloco aqui e se baseando no espiritismo respeitando todas as outras tradições religiosas inclusive pessoas que nao creia em nada tambem

Jennifer Dhursaille  Sergio, por mais respeito que tenha a Chico e a Kardec, e qualquer outro que tenha nos trazido obras psicografadas, a mente humana é passível de erros e tem seu compreensão limitada por suas próprias crenças, pela época em que esse conhecimento foi passado e pela doutrinação a que foi exposta. É disso que eu falo, porque é disso que os seres estelares e os guias espirituais universalistas com quem trabalho têm falado comigo. Inclusive me alertando de que aquilo que eu escrevo também é passível de erro. Eles querem que aprendamos a discriminar e a determinar as verdades que nos são passada através do exercício do nosso discernimento. Com base nisso, do ponto de vista do que é de fato produtivo para o indivíduo e para a coletividade, ver por exemplo, um espírito que caiu tanto como um nazista que matou milhares de pessoas, pagar é apenas um desejo ilusório de 'vingança', realçado pela projeção de sombra coletiva, acreditamos que possamos e devamos 'fazer justiça', quando na verdade, se esse ser que tanto errou planejasse, ao invés de nascer aleijado, deformado, pobre e cheio de sofrimentos morais a passar, conseguisse se tornar um humanitário e lutasse por causas humanitárias ele se sentiria muito melhor, as vítimas seriam de fato honradas e toda a coletividade se beneficiaria. O amor cobre a multidão de pecados. Esse é um conceito tão simples, mas infelizmente as próprias religiões não o seguem...


Sergio:  Eu so acredito que afirmar a nao verdade nao muito justo e sim entendimentos de verdades com visões diferentes uma das outras

Elisabeth:  Jennifer, você adota a ideia de que, mesmo na espiritualidade existe muitas colônias ainda pouco evoluídas? Seria óbvio para mim. Mas também existem aquelas com alto nível de consciência, que trabalham energeticamente para auxiliar o desenvolvimento das " inferiores"? 
E precisamos desenvolver lucidez e perspicácia para não cairmos nas redes dos "obsessores" que se alimentam de dor, medo e ignorância?

Jennifer Dhursaille Elisabeth esse assunto é mega complexo, porque na verdade não podemos afirmar que Colônia X é inferior e Colônia Y está à salvo. O mal não se apresenta como mal, ele se camufla de bem para poder ser aceito. Esses conceitos de que falo nos foram passados como algo 'justo e necessário para a evolução do espírito', e nós acreditamos, até porque como país de origens católicas o sofrimento como redenção é parte da nossa visão de mundo espiritual. Há também que se diferenciar colônias que estão em diferentes dimensões de existência, com maior e menor densidade, para usar um vocabulário bem conhecido kardecista, as que estão nas zonas menos densas do Umbral e as que se encontram em paragens mais sutis e iluminadas. Essa 'burocracia espiritual e cultura do sofrimento' pode estar presente na de luz e ausente na do Umbral, mas mais provavelmente haverá espíritos trabalhando em ambas que tenham diferentes abordagens quanto à melhor maneira de evoluir, exatamente como aqui. Os espíritos nos dizem que no plano espiritual não há religião, assim como os irmãos estelares, entretanto os líderes de determinados agrupamentos no astral seguem estilos de 'recuperação' de uma alma que tenha caído, falhado em uma encarnação, bastante diferentes. A grosso modo, devemos ter cuidado com declarações de espíritos que claramente fazem proselitismo de uma religião, espíritos que fazem propaganda, por exemplo, do movimento kardecismo ou mesmo do cristianismo como única verdade e caminho. Os budistas ascendem. Os hindus alcançam a libertação espiritual. Os muçulmanos também. Qualquer forma de sectarismo no discurso - inclusive quando se trata de ETs (pessoas que reverenciam somente uma linhagem e pintam outras como não confiáveis), deve ser vista com desconfiança. Fazendo uma analogia, devemos dar ouvidos a quem fala do esporte, mas não a quem é partidário de times do qual faz propaganda. Precisamos com certeza desenvolver essa perspicácia como você falou. Abçs

Elisabeth:  Muito bom!!! Principalmente com relação às diferentes abordagens. Obrigada pelos esclarecimentos!!!


Leo Estelrich (nome mantido com consentimento do autor do comentário): O que acho mais lindo nisso tudo (só que não) é que os fãs do Talionato são justamente aqueles que passarão eras sofrendo triplicadamente pela morte de uma formiga, pois acreditam na paga na mesma moeda, algo que o próprio Governador Celeste rechaçou e os espiritualistas, invadidos pela burocracia, fingem que não sabem disso para cooptar almas. Pena que a Terra não será mais um campo de execuções para os que se auto condenaram sob o jugo do Talião, então os masoquistas adeptos dessa legislação de castigo terão de buscar outros mundos pra sofrerem, já que isso não denota nada mais nada menos que um grande prazer e vício da alma nos processos de sofrimento, "vitimismo", "martirismo", redenção pela dor. Ora, até Freud e Jung diagnosticaram o grau de psicopatologia nesse modelo comportamental, quem dirá imputar ao Todo Poderoso Senhor dos Mundos esse grau de psicopatia! Não, psicopatas são as almas viciadas no sofrimento e na "paga" dura e reiterada( masoquistas) e seus sócios de livre escolha, a burocracia espiritual travestida de angélica (sádicos). Sádicos e masoquistas existem apenas para e em função uns dos outros. Na nova era o que redime é o AMOR e não a pena, e amor é uma escolha e é a escolha que a Fonte espera que façamos, a remição é pura, completa, irrevogável, irretratável e com efeitos imediatos. Quem acredita no castigo taliônico pela dor não precisa de umbral, nem de espíritos algozes, nem vir pobre, cego ou enfermo sucessivamente, precisa única e exclusivamente de um PSIQUIATRA para tratar do recalque sadomasoquista embutido na alma! A ÚNICA LEI QUE IMPERA É A DO AMOR, SEM CONDIÇÕES! Quem se pauta por esse entendimento não precisará ser obrigado a comprar (e pagar por) "dívidas" alheias vendidas por "banco$" dirigidos por falsos espíritos. Já disse o Governador: "Provai se o Espírito vem mesmo de Deus".


MarciaTb sempre questionei essa estória de eu pagar uma conta que eu não sei qual é. Isso é injusto. E qq ser que me impute uma injustiça, não pode ser bom. E tb fiquei pensando : se eu estou neg e produzo essa energia, alimento seres do mal. Se estou positiva e produzo essa energia, os seres do bem a recrutam para ajudá-los a combater o mal. Uai ! De todo jeito minha energia vai para os outros. Vira comida. Não. Sou soberana, senhora e rainha absoluta do meu reino. Minha energia é minha. O holograma não é dual. E somos um holograma. Então, alguma coisa por aqui está funcionando de forma errada. Pra mim essa dualidade é coisa inventada para que produzamos tipos de energia variados. Como se fossemos realmente escravos de uma fábrica de energia. Comandada sei lá por quem. Mas é como eu sinto. Acho que é por isso que as vezes estamos mto bem e o jogo vira. E vice-versa. Depende da demanda da energia necessária para ser comercializada. Bjs e bçs. PS Assim penso eu. Respeito qq contrário.

Jennifer Dhursaille Marcia, Gratidão pela oportunidade de falar sobre uma questão que tão raramente vem à tona. Eu entendi perfeitamente os seus questionamentos porque já os fiz eu mesma. Eu também já pensei: "Não quero alimentar a ninguém, só quero ser eu mesma". No livro Familia de Luz, da Barbara Marciniak, que canaliza os Pleiadianos, eles falam claramente que emitimos frequência, não temos como evitar isso, a questão é que uma parte de seres se alimenta de frequências negativas e outra de frequências positivas, e no nosso caso, para o 'nosso maior conforto', por assim dizer, nossa 'qualidade existencial' é favorecida enquanto alimentamos os seres que vivem das frequências positivas. Ainda assim esse conceito me incomodava, entretanto, a partir de algumas experiências dentro do Xamanismo, pude perceber que dentro da Teia Da Vida tudo está conectado, não existe separação, então, como numa imensa floresta todos os organismo se retroalimentam, é assim que o Sistema, no sentido de Sistema Divino, criado pela Fonte Criadora, se mantém, e no caso, ao vibrarmos negatividade, alimentamos os fungos, os parasitas que trazem o caos ao sistema, provocando danos a todas as formas de vida para sustentarem a sua. Grande abraço!
Claudia: Se todo esta conectado.. Como fica as pessoas que estão em nossa volta e invocam essa energia negativa?

Jennifer Dhursaille Oi Claudia, não sei se entendi direito sua pergunta, mas no plano em que estamos, físico, muitos à nossa volta emitem negatividade e caso não estejamos muito bem escudados podemos ser atingidos, pois ainda temos dificuldade em nos mantermos livres e sermos donos de nossa própria vibração, sem permitir interferência de pessoas com quem convivemos. Por exemplo, é muito dificil, por mais espiritualizada que uma pessoa procure ser, se ela convive com seres muito desequilibrados ao ser redor, pessoas intolerantes, de falas negativistas, raivosas, etc, ao conviver com elas acabamos sendo tragados para baixo, por isso tantos textos atualmente falam sobre cortar relações com pessoas negativas, que não devemos alimentar o processo delas. Quando convivemos no mesmo lar fica muito mais dificil fazer isso, mas de qualquer forma penso que seja uma lição que precisamos aprender. Já nas dimensões superiores a separação já existe naturalmente por graus de frequência, os semelhantes atraem semelhantes que coexistirão de acordo com seus níveis de densidade. Espero ter ajudado, mas caso não, continuo à disposição. Abração!


Marcia:  É uma questão que eu não havia pensado : "Na natureza nada se cria, nada se perde. Tudo se transforma- Lei de Lavoisier. É a tal da cadeia alimentar. Tem razão. Comemos para transformar em energia e podermos viver uma vida física,e tb alimentamos através da nossa energia e com nosso corpo físico após a morte outros seres. Pq tudo é um. E sendo um, interdependente. Gratidão. Entender é a libertação. Bjs e bçs.


Se você tem algo a questionar com referência ao assunto exposto, pode comentar aqui, assim centralizamos as dúvidas e fica mais fácil a todos terem uma sequência de pensamento dentro do assunto exposto.

Esta postagem permanecerá aberta, com atualizações sempre que novos comentários que venham somar cheguem até nós.



Gratidão a todos que estão empenhados nessa mudança de paradigmas espirituais.

Jennifer